Sem categoria

Atendendo MP, TCE solicita prioridade de Estado e municípios na assistência a crianças e adolescentes

O Ministério Público de Rondônia recebeu do Tribunal de Contas documentação referente ao envio de ofícios em que o TCE solicita providências ao secretário de Estado de Planejamento, aos prefeitos e aos presidentes de câmaras no sentido de fazer constar políticas de programas de atendimento a crianças e adolescentes no Plano Plurianual (PPA), Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e Lei Orçamentária Anual (LOA) do Estado e dos municípios para os próximos exercícios.

A medida do Tribunal de Contas atende solicitação do MP, que, por meio de Centro de Apoio Operacional da Infância (CAO-INF) e da Promotoria da Infância e Juventude de Porto Velho, em outubro de 2010, encaminhou ofício, pedindo que o TCE empregasse esforços na fiscalização de municípios e Estado, no que se refere ao tratamento prioritário às questões infanto-juvenis em seus orçamentos.

O expediente foi encaminhado, após encontro do promotor da Infância e Juventude de Porto Velho, Marcelo Lima de Oliveira, com o presidente do TCE, conselheiro José Gomes de Melo, e o secretário-geral de Controle Externo, Luiz Gomes da Silva Filho, na sede do Tribunal de Contas.

Aliás, ao acatar a solicitação do MP, o TCE foi além do que estava sendo pleiteado pelo Ministério Público, determinando à Secretaria Geral de Controle Externo que oriente seus técnicos a inserir no planejamento das auditorias, nos próximos exercícios, a verificação da existência dessas políticas nos instrumentos de planejamento dos seus jurisdicionados.

Os artigos 227 da Constituição Federal e 4º do Estatuto da Criança e do Adolescente determinam prioridade absoluta para efeitos de preferência na formulação e na execução das políticas públicas sociais e na destinação de recursos públicos nas áreas relacionadas com a proteção da criança e do adolescente (direito à vida, à saúde, à alimentação, entre outros).

Conforme destacou o MP no expediente encaminhado ao TCE, para a garantia concreta desse atendimento prioritário é preciso desenvolver mecanismos para apurar se municípios e Estado estão observando efetivamente esses comandos, quando da elaboração do PPA, LDO e LOA e especialmente quando da execução dos programas previstos nessas leis.

O aperfeiçoamento se faz necessário, de acordo com o MP, em razão de que os diversos órgãos que compõem o sistema de garantias constataram que as políticas públicas voltadas a crianças e adolescentes são esquecidas no momento da elaboração das leis orçamentárias e, por vezes, mesmo quando previstas, não são executadas.

Artigos relacionados

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Skip to content