Notícias

Débito aplicado por dano causado ao erário não prescreve em cinco anos, decide TCE

Foi aprovado, por unanimidade, pelo Tribunal de Contas de Rondônia (TCE-RO) enunciado sumular definindo que a prescrição quinquenal – prazo de cinco anos para perda do direito de ação – reconhecida na esfera judicial em ações de execução fiscal não gera efeito administrativo de quitação do débito imputado pela Corte de Contas em decorrência de dano causado ao erário.

O enunciado, que integra a Decisão nº 300/2014, trata de entendimento sobre o assunto pacificado pelo Pleno, após sua deliberação e aprovação durante sessão realizada no último dia 11.

De acordo com o TCE, a edição do enunciado sumular ocorreu em razão da necessidade de orientar as administrações públicas, a fim de evitar a formação e instrução de processos que não encontram respaldo no entendimento consolidado de que o crédito decorrente de dano ao erário não prescreve.

Desse modo, mesmo nos casos em que já tenha sido reconhecida a prescrição quinquenal em ação de execução fiscal, o Tribunal de Contas determina que a administração pública faça a cobrança desse crédito, sob pena de violar o princípio constitucional da imprescritibilidade das ações de ressarcimento, bem como cometer indevidamente renúncia de receita pública.

ENUNCIADO SUMULAR

Os enunciados sumulares são o instrumento pelo qual é feita a uniformização ou a sistematização da jurisprudência relativamente às decisões de um órgão colegiado – no caso do TCE de Rondônia, o Pleno.

A rigor, o enunciado é um resumo da posição adotada pelas Cortes depois de repetidas decisões sobre um mesmo assunto. Trata-se de um entendimento sobre tema específico recorrente, a partir de sua interpretação pacífica ou majoritária, servindo, assim, de orientação para todos os jurisdicionados – no caso do TCE, serve também para subsidiar suas decisões.

Artigos relacionados

Internet

Débito aplicado por dano causado ao erário não prescreve em cinco anos, decide TCE

Foi aprovado, por unanimidade, pelo Tribunal de Contas de Rondônia (TCE-RO) enunciado sumular definindo que a prescrição quinquenal – prazo de cinco anos para perda do direito de ação – reconhecida na esfera judicial em ações de execução fiscal não gera efeito administrativo de quitação do débito imputado pela Corte de Contas em decorrência de dano causado ao erário.

O enunciado, que integra a Decisão nº 300/2014, trata de entendimento sobre o assunto pacificado pelo Pleno, após sua deliberação e aprovação durante sessão realizada no último dia 11.

De acordo com o TCE, a edição do enunciado sumular ocorreu em razão da necessidade de orientar as administrações públicas, a fim de evitar a formação e instrução de processos que não encontram respaldo no entendimento consolidado de que o crédito decorrente de dano ao erário não prescreve.

Desse modo, mesmo nos casos em que já tenha sido reconhecida a prescrição quinquenal em ação de execução fiscal, o Tribunal de Contas determina que a administração pública faça a cobrança desse crédito, sob pena de violar o princípio constitucional da imprescritibilidade das ações de ressarcimento, bem como cometer indevidamente renúncia de receita pública.

ENUNCIADO SUMULAR

Os enunciados sumulares são o instrumento pelo qual é feita a uniformização ou a sistematização da jurisprudência relativamente às decisões de um órgão colegiado – no caso do TCE de Rondônia, o Pleno.

A rigor, o enunciado é um resumo da posição adotada pelas Cortes depois de repetidas decisões sobre um mesmo assunto. Trata-se de um entendimento sobre tema específico recorrente, a partir de sua interpretação pacífica ou majoritária, servindo, assim, de orientação para todos os jurisdicionados – no caso do TCE, serve também para subsidiar suas decisões.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar