Notícias

Homenagem ao conselheiro-substituto Davi Dantas marca sessão do Pleno/TCE-RO

A 10ª sessão plenária do Tribunal de Contas (TCE-RO), realizada nessa quinta-feira (16), foi marcada por homenagem ao conselheiro-substituto Davi Dantas da Silva, falecido nas primeiras horas da última segunda-feira (13).

Além de pronunciamentos sobre a profícua e marcante trajetória de Davi Dantas na Corte de Contas, destacou-se o poema da lavra do conselheiro Benedito Antônio Alves, denominado “Homenagem ao amigo Davi”, que emocionou a todos os presentes.

Abaixo transcrevemos a homenagem “in memorian”:

 

HOMENAGEM AO AMIGO DAVI

Dorme em paz, óh Davi!

Eis que um menino se nos deu,
e assim como se deu com o rei,
o nome do rei, o menino recebeu.
E em simetria e raça,
o menino em graça cresceu.
Tinha o menino a divina unção,
Detinha a força celeste o menino-varão.
Batalhas tremendas na vida travou,
Vitórias marcantes também conquistou.
Certa feita um grande urso na vida venceu,
E noutra vez para proteger os seus,
O rei leão com as mãos derrotou,
Também pudera,
o nome de rei recebeu.
Em outra luta desigual, sem igual,
um gigante filisteu confrontou,
E com rara habilidade,
gigantesca força de vontade,
o gigante da vida, ele derrotou.
Tinha na alma pura e simplista,
a musicalidade do salmista,
que encantava quem com ele conviveu,
No olhar a maestria do saber,
Tinha o dom da palavra certa.
Quando lecionava com amor,
Era tamanha a dedicação,
que sentado no trono de Sofia,
Vencia a si mesmo dia a dia,
E no palco do saber reinava absoluto,
O menino-varão, com nome de rei.
E pela vida dedicada ao ensino,
Que se gravem saudades eternas,
Ao menino que se fez varão,
ao varão que soube ser menino.
Detinha a coragem que avassala,
Que conquista, que vence, bem sei.
Tinha majestade, mesmo sem ser rei
Varão de mil virtudes, bem sei:
Compromisso, honradez, fidelidade,
Lealdade, responsabilidade, veracidade,
Generoso na essência de seu ser.
Prudência, temperança, fortaleza e justiça,
Eram essas suas virtudes cardeais.
Não bastassem as virtudes terrenas,
Detinha o varão, virtudes teologais:
A fé, a esperança e a caridade.
Àquele que agora dorme profundamente,
Só resta então essa homenagem fraterna,
Na esperança de nos vermos novamente,
Num piscar de olhos, na ressurreição,
Na cristã promessa da vida eterna.
Enquanto isso …
Dorme em paz, óh Davi!

Benedito Antônio Alves

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Skip to content