ControleDestaqueEventosParceirosTCE-RO

TCs do ES e de SC conhecem metodologia e resultados obtidos pelo TCE-RO com procedimento de seletividade de ações de controle

Apresentação foi realizada durante webinário que contou com a participação de agentes públicos das três instituições de controle externo

A metodologia e os resultados obtidos pelo Tribunal de Contas de Rondônia (TCE-RO) a partir da adoção, de modo inovador, de critérios de seletividade de ações na área de controle externo foram apresentados durante webinário (evento online) realizado no último dia 3 para agentes públicos dos Tribunais de Contas dos Estados do Espírito Santo (TCE-ES) e de Santa Catarina (TCE-SC).

A expertise do TCE rondoniense no assunto foi destacada pelo conselheiro presidente do TCE-ES, Rodrigo Chamoun, ao abrir o evento. “O TCE de Rondônia iniciou um trabalho muito importante já testado e aprovado para selecionar critérios e decidir o que fazer e o que não fazer, sendo, portanto, vanguardista nessa questão”, acentuou.

Já o conselheiro presidente do TCE-RO, Paulo Curi Neto, em sua participação, ao traçar breve histórico sobre a questão, falou dos avanços nessa área obtidos pelos Tribunais de Contas, destacando o papel do Tribunal de Contas da União (TCU).

O conselheiro presidente do TCE-RO, Paulo Curi Neto, falou do aspecto inovador da solução encontrada pela Corte

“Anteriormente, os Tribunais de Contas autuavam tudo e viviam soterrados de processos, o que implicava em pronunciamentos tardios, intempestivos e inefetivos. Felizmente o sistema, nesses últimos 20 anos, procurou se ressignificar e percebemos avanços, com a grande maioria dos TCs usando sistemática de seleção de objetos de controle”, relembrou.

Quanto à metodologia implementada pelo TCE-RO, Paulo Curi citou o aspecto inovador da solução, buscando superar ou incrementar os critérios tradicionais, baseados na tríade relevância, materialidade e risco: “O desafio foi promover esse detalhamento de modo a ter um método que atenda a transparência, a impessoalidade e a isonomia, e seja minimamente previsível, objetivo e flexível”.

Nessa dinâmica de construção de um processo de maximização da efetividade das respostas que os TCs devem ofertar à sociedade, citou levantamento feito no período de 2016 a 2018 que identificou que, a cada R$ 1,00 investido no TCE, um valor superior a R$ 7,00 retornava à sociedade. “Minha percepção é que em breve essa sistemática vai facilitar e auxiliar para que devolvamos muitas vezes esse recurso que o cidadão investe nos Tribunais de Contas”, completou.

APRESENTAÇÃO

O secretário-geral Marcus Cézar lembrou que, com a aplicação da metodologia, o TCE-RO já conseguiu avanços em 2019 na execução de suas fiscalizações

Antes da apresentação, realizada pelo auditor de controle externo Francisco Régis Ximenes, responsável pela coordenação dessa área na Secretaria-Geral de Controle Externo (SGCE), o secretário-geral de controle externo do TCE-RO, Marcus Cézar Filho, destacou que, com aplicação da metodologia, já em 2019, na gestão do conselheiro Edilson de Souza Silva, o TCE-RO conseguiu um nível de execução do seu Plano de Fiscalizações em torno de 85%.

“Trabalhamos para manter esse percentual e não termos essas demandas consumindo o tempo do controle externo e limitando a geração de benefícios para a sociedade rondoniense”, acrescentou.

Ainda foi explicado que, atualmente, o procedimento aplica-se à análise de comunicados de irregularidades – um dos “gargalos” identificados durante o estudo realizado pelo TCE –, mas a previsão é de ampliar, alcançando até mesmo contas de gestão e atos de pessoal.

A metodologia tem como objetivo racionalizar o processo de análise de comunicados de irregularidades, desenvolvendo uma metodologia de tratamento desses comunicados e implementando mecanismos de avaliação de critérios de seletividade, entre os quais, relevância, materialidade, risco, oportunidade, gravidade, urgência e tendência. Também visa orientar o tratamento dessas demandas, favorecendo o planejamento das ações de controle externo.

O auditor de controle externo Régis Ximenes disse que a metodologia pode ser aplicada de forma parecida ou similar em cada TC

Além da SGCE, atuaram na implementação da sistemática a Corregedoria, os Gabinetes e o Ministério Público de Contas. O sistema se apara em normativos como Resolução 291/2019 e a Portaria n. 466/2019.

Foi ainda explicado o passo a passo e outros pontos envolvendo a metodologia, que, segundo Régis Ximenes, pode ser aplicada de forma parecida ou similar em cada Tribunal de Contas. “E dependendo das características de cada um também pode ser adaptada”, complementou.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar