Sem categoria

Irregularidades em edital levam à paralisação de licitação de Ariquemes para transporte escolar

O Tribunal de Contas, através da Decisão Monocrática nº 280/2012/GCESS, determinou a suspensão do pregão eletrônico promovido pela Prefeitura de Ariquemes para contratação de empresa visando à prestação de serviços de transporte escolar, cujo valor está orçado em mais de R$ 1,9 milhão.

A medida, publicada no Diário Oficial Eletrônico do TCE da última quinta-feira (13), foi tomada a partir de uma representação interna requerida pela Secretaria Regional de Controle Externo de Ariquemes, após a constatação de irregularidades que, segundo a decisão, afrontam a competitividade da licitação, pois restringem a participação de possíveis interessados e reduzem a possibilidade de se obter uma proposta mais vantajosa.

São detectadas na decisão monocrática irregularidades que fragilizam o procedimento licitatório, como ausência no projeto básico da especificação das condições das estradas, linhas e vicinais, informando, por exemplo, se são asfaltadas ou têm acesso a rodovia, o que influenciará na composição dos custos e, via de consequência, na definição do valor de cada lote.

Outra irregularidade que pode inviabilizar a contratação é o fato de o objeto indicar sua execução no exercício 2012, com 200 dias letivos e quatro dias para o período de recuperação. Porém, conforme destaca o TCE, já transcorreram nove meses do presente exercício e, portanto, não restam mais do que 75 dias letivos a cumprir, o que se contrapõe à efetividade do cronograma de execução da contratação.

Já entre os apontamentos feitos pela unidade técnica, acolhidos na decisão, está a omissão no projeto básico do quantitativo de alunos que serão conduzidos por trecho, o que tornou o objeto da contratação insuficiente e impreciso, fora das especificações da Lei das Licitações (Lei nº 8.666/93).

Outra afronta à lei foi a divisão do objeto do certame (prestação de serviços de transporte escolar) em cinco lotes sem especificação das rotas e/ou itinerários. Também foi apontada norma de caráter restritivo e ofensivo à competitividade, qual seja a exigência injustificada de certificado ou comprovação de registro junto ao Departamento de Viação e Obras Públicas (Devop).

Segundo o TCE, essas e outras impropriedades, como a ausência de elaboração de projeto executivo detalhado e preciso, viciam o procedimento licitatório e revelam falta de planejamento por parte da administração municipal.

Diante disso, a decisão, além de paralisar o certame, também determina ao gestor do município que se abstenha de praticar qualquer ato relacionado ao processo licitatório até nova determinação do TCE.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Skip to content